10 filmes e séries africanos para ver na Netflix

10 filmes e séries africanos para ver na Netflix

Por Sérgio Motta

31 de março de 2021

É claro que cada lugar tem suas múltiplas histórias e maneiras de contá-la. Mas os povos da África, como continente e berço da humanidade, têm uma tradição mais holística de apresentá-las.

Narrativas onde o mundo não se divide e é posto em categorias conflitantes, mas que funcionam de forma completa e conjunta, tratando ciência e religião, natural e sobrenatural, humanas e exatas, o particular e o universal, como parte do todo. Essa maneira de contar histórias sobrevive, mesmo no mundo globalizado, industrializado, contemporâneo, tecnológico, artificial e megalomaníaco que vivemos.

Nessa lista, trazemos exemplos disso. Confira alguns filmes e séries africanos disponíveis na Netflix.

A lição de Moremi (Nigéria)

[Aviso de gatilho] O drama nigeriano baseado em fatos reais, A lição de Moremi, passou a primeira semana desde a estreia no Top 10 da Netflix. Um filme intenso baseado em fatos reais, em que Moremi é uma universitária que passa por uma tentativa de estupro por um de seus professores. Mas, ao denunciá-lo, as violências contra ela se perpetuam, pois todos parecem desligitimar sua denúncia e apoiar o estuprador, por ser um professor admirado e respeitado da universidade. Uma narrativa evidencia a cultura do estupro, que envolve violência sexual, desrespeito e relação de poder, visível e discutida em todo mundo.

O menino que descobriu o vento (Malauí)

Embora O menino que descobriu o vento seja uma produção britânica, é baseado no livro biográfico do inventor malauiano, William Kamkwamba. William é um jovem inventivo e muito inteligente de uma pequena aldeia abandonada pelo governo. Com a alta estiagem e escassez de comida e recursos, a comunidade não vê futuro. William, ao ler um livro de ciências, percebe que pode construir um moinho de vento que gerará energia para fazer funcionar uma bomba de água e garantir a fartura de sua família e comunidade.

Queen Sono (África do Sul)

A espiã Queen Sono precisa combater grupos criminosos em missões secretas, enquanto procura respostas sobre o assassinato da mãe, uma mulher branca que lutava contra o apartheid. Queen Sono foi a primeira produção original da Netflix na África, que se passa em quatro países do continente: África do Sul, Congo, Nigéria e Zimbábue. A primeira temporada tem seis episódios e o sucesso imediato já garantiu a renovação para a segunda temporada.

Lionheart (Nigéria)

Com nota máxima da crítica especializada, Lionheart é o filme mais bem avaliado da Netflix e não é à toa. A obra mostra que o continente africano não se resume à situações de extrema pobreza e culturas tribais. Nesta obra, Adaeze vem de uma família rica, dona de uma empresa de transportes. Após a morte do pai, ela assume a empresa, mas, enquanto mulher, tem que se provar capaz de gerenciar e liderar o negócio da família.

Fogo contra fogo: A história de Solomon Mahlangu (África do Sul)

Mais um incrível drama baseado em uma história real. O filme mostra como foi o movimento anti-apartheid na África do Sul, através de pessoas comuns que seguiram Nelson Mandela em sua jornada e lutaram pela liberdade do povo negro — incluindo a história de Solomon Mahlangu, um jovem vendedor que entra para o movimento, mas sofre acusações de homicídios plantadas pela polícia. Ele precisa provar sua inocência e lutar por sua vida.

Atlantique (Senegal)

Uma obra belíssima premiada em Cannes, Atlantique mostra de forma encantadora a construção do amor de dois jovens: Ada e Souleiman. Mas trata-se de um amor impossível, pois Ada é prometida a um homem rico. Além da compreensão de mundo africana que é mostrada no filme, onde o mar, o amor e a esperança são personagens vivos, o filme também explora os sintomas e malefícios causados pela desigualdade social.

Beasts of no nation (África Ocidental)

Assim como O menino que descobriu o vento, apesar da produção de Beasts of no nation não ser africana, a narrativa africana está presente. O filme é baseado no romance homônimo do escritor de ascendência nigeriana, Uzodinma Iweala. A história é sobre o menino Agu, que é separado da família durante uma guerra civil na África Ocidental (o país não é definido na história, mas foi filmado em Gana). Ele precisa lutar ao lado dos mercenários e se tornar um soldado ainda criança se quiser sobreviver.

Santana (Angola)

Santana é o primeiro filme angolano no catálogo da Netflix. Um filme feito na base da perseverança, que foi filmado em 2014, começou a ser editado em 2015, mas, por falta de orçamento, demorou seis anos para ser lançado — problema de orçamento que não se sente, pois a obra está muito bem produzida. Seguindo uma linha semelhante a Narcos, Santana é um filme baseado em fatos reais sobre cartel e combate as drogas, mas focado na história de dois irmãos que trabalham na polícia e que, depois de décadas, descobrem a identidade do traficante que assassinou os pais deles.

Sangue e água (África do Sul)

Na onda de séries adolescentes-colegiais que vem preenchendo o catálogo da Netflix nos últimos tempos, Sangue e água se destaca com o drama acerca de conexão familiar muito presente nas culturas africanas. O sequestro da irmã de Puleng ainda criança sempre foi um martírio na família da adolescente, mas na nova escola dela, ela conhece uma garota que suspeita ser a irmã perdida.

Azali (Gana)

Azali foi o primeiro filme ganês a ser inscrito no Oscar de melhor filme internacional. Um drama poderoso sobre uma menina de 14 anos de uma pequena vila próxima à Accra. Para escapar de um casamento arranjado, ela foge para a capital ganesa, mas acaba sendo vítima de um dos maiores crimes do submundo das grandes metrópoles: o tráfico humano.

Lembrando que tem uma página na Netflix com todos filmes e séries africanos disponíveis na plataforma. Vale conferir!