Sobre Nós

O Resistência Afroliterária nasceu com o intuito de ser um espaço de divulgação e exposição de arte negra. Aqui você encontra análises, resenhas, divulgações, indicações, reflexões e notícias sobre literatura e cultura feita por e para pessoas negras.

Gostaria de fazer uma parceria, divulgação, sugestão ou tirar dúvidas? Envie um e-mail para [email protected] que responderemos o mais rápido possível!

Conheça quem escreve!

Lorrane Fortunato tem a convicção de que em suas veias corre o amor pelos livros, amor esse que a motivou a criar o "Resistência Afroliterária", (afroliteraria.com.br), um portal focado em divulgar literatura feita por e para pessoas negras.

Formada em Letras – Espanhol, administra seu tempo entre revisões, traduções do espanhol e escrita. É autora de "A rota que me levou a você" e "As promessas que você me fez". Do conto "As fantasias que eu criei de você", na coletânea "Confetes e serpentinas" e do conto "Lírio", na coletânea "Flores ao mar".

Sabe a importância da representatividade, por isso, em suas histórias traz protagonistas negras e temas ligados à negritude. Além de ter criado o #LeituraPreta, um desafio com o objetivo de incentivar a leitura de livros escritos por pessoas negras o ano todo.

Sérgio Motta é designer, escritor e amante de café. O design lhe ensinou a identificar problemas do mundo e propor soluções; a literatura, a criar mundos e transformar problemas em reflexões; e o café, que a vida tem um gostinho bom.

Nascido e criado na periferia de São Paulo, a cidade, cheia de fantasias, caos, diversões e diversidades é sua musa. Tem o autógrafo de Conceição Evaristo tatuado na sua pele. Junte as duas inspirações, e o resultado são suas publicações: "Ciberbochicho", pela Revista Mafagafo, "Spider", pela revista americana Strange Horizons e "Aline na Avenida das Paulistas", uma releitura da jornada de Alice pela avenida mais famosa de São Paulo. Também criou o blog 20 Contos, onde escreveu vinte histórias em um ano.

Está sempre falando sobre arte, cultura, literatura, tecnologia e negritude (e tudo junto e misturado) no Twitter, em suas histórias e no Resistência Afroliterária. Gasta as (raras) horas vagas assistindo tretas no Twitter, maratonando podcasts e provando por A + B que Bentinho foi quem traiu Capitu com Escobar.